Presidente da comissão aponta que reforma é mais dura para servidor público

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência (PEC 6/19), deputado Marcelo Ramos (PL-AM), criticou o discurso polarizado sobre a proposta. “Cada vez me convenço de que a verdade está no meio”, disse.

Leia também: Inclusão de estados e municípios na reforma voltará a ser debatida no Senado

Marcelo Ramos%2C presidente da Comissão Especial que analisa o texto da reforma da Previdência arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Marcelo Ramos, presidente da Comissão Especial que analisa o texto da reforma da Previdência

Ele afirmou ainda que a reforma da Previdência é mais dura para o regime próprio – os servidores públicos federais – do que para o regime dos demais trabalhadores. “Dessa forma, ela combate privilégios. É 15 vezes mais dura no regime próprio”, disse.

Leia também: À espera da Previdência, Bolsa volta a bater recorde e dólar vai a R$ 3,76

Marcelo Ramos reconheceu, no entanto, que haverá impacto para os que recebem renda menor de 2 salários mínimos. “Também exige sacrifício de todos, mas vamos caminhar para um sistema mais justo”, disse.

Leia também: PSL fecha acordo para regra mais branda para policiais federais na Previdência

Ele destacou que a economia feita pela reforma vai garantir o equilíbrio orçamentário. “O problema do Brasil hoje é que o desajuste fiscal está no custeio, não temos dinheiro para investir em infraestrutura”, finalizou o presidente da Comissão especial.

Comentários Facebook