TAC prevê a implantação de usina de reciclagem para dar destino correto aos resíduos da construção civil

Uma destinação correta para os resíduos originados pela construção civil em Rondonópolis foi tema de uma reunião, na tarde desta quarta-feira (19/02) na Casa de Indústria, onde o Sindicato das Indústrias da Construção da Região Sul do Estado de Mato Grosso (Sinduscon Sul MT) recebeu a Promotoria do Meio Ambiente e Ordem Urbanística, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (Coder) e associados do sindicato.

Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente João Fernando Copetti Bohrer, em Rondonópolis são geradas 400 toneladas por mês de resíduos sólidos da construção civil, conhecidos como RSCC, e destaca que além da implantação de uma usina de triagem e beneficiamento destes resíduos, o poder público em parceria com o ministério público do Meio Ambiente e o Sinduscon Sul MT estarão juntos em outras ações. “Enquanto a usina não é instalada e funcionando, a secretaria de Meio Ambiente estará iniciando um processo de educação ambiental juntamente com o Sinduscon Sul MT, elaborando uma metodologia que atenda seus associados e também replicar estas informações aos demais construtores da cidade e pequenos geradores”, explicou.

A usina de triagem e beneficiamento será gerida pela Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis, além de disponibilizar uma área para instalação do equipamento e mão de obra, como explica seu diretor presidente Argemiro Ferreira. “A partir da usina implantada, a Coder terá a responsabilidade de além das campanhas ambientais, a reciclagem do RSCC em Rondonópolis. O processo começa a partir de agora com uma mudança estrutural no organograma da companhia para que nós possamos nos adequar para a implantação dentro do prazo hábil que está previsto no TAC”, disse.

A frente de todo processo de discussão da implantação da usina de triagem e beneficiamento de resíduos, o promotor do Meio Ambiente e Ordem Urbanística, Ari Madeira destaca a importância da união de esforços para mudar a realidade atual da destinação destes resíduos na cidade. “Em uma discussão com Sinduscon, Sanear, Coder e município, nós chegamos a uma estratégia de se realizar um trabalho educativo com toda a comunidade e os empresários e efetivamente a instalação de uma usina de reciclagem e desta forma daqui para frente empreender uma cultura e atitude de reaproveitamento destes materiais, já com previsão de verba instalação e funcionamento desta usina”, comentou.

Na função de interveniente entre as construtoras e os órgãos público e da promotoria, o Sinduscon Sul MT proporcionou a aproximação entre as partes para a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). “O objeto do TAC é o RSCC e isso implica diretamente em nós construtores, desta forma o Sinduscon passou a fazer parte da ação de implantação da usina para conduzir este termo de ajustamento da melhor maneira possível para todas as partes”, finalizou Lucas Luz.

Hoje os RSCC são depositados em uma área na região da Mata Grande. O prazo de implantação e funcionamento da usina de triagem e beneficiamento de resíduos é de 12 meses.

Comentários Facebook