Destaque neste início de temporada, Renan comemora conquistas precoces: “É inexplicável, ainda nem caiu a ficha”


Cesar Greco/Palmeiras

O zagueiro Renan vem sendo um dos destaques do elenco alviverde neste início de temporada. Na base do Palmeiras desde 2015, ele iniciou a transição para o time principal em 2020, com apenas 18 anos, e participou ativamente das campanhas dos títulos da CONMEBOL Libertadores e da Copa do Brasil. O bom desempenho o fez ser efetivado no elenco profissional em 2021.

“Não tenho palavras. Nem nos melhores sonhos alguém sonha em, no primeiro ano, participar de uma Copa do Brasil e de uma Libertadores. É inexplicável, ainda nem caiu a ficha, mas, pouco a pouco, vamos entendendo o que é ser Palmeiras, ser campeão”, afirmou o jogador, que começou no sub-13 do Maior Campeão do Brasil.

O currículo de títulos na base, aliás, também é extenso – entre eles, estão o bicampeonato paulista sub-15 (2016 e 2017), o Campeonato Paulista Sub-17 (2018), a Copa do Brasil Sub-17 (2019), a Supercopa do Brasil Sub-17 (2019) e o bicampeonato do mundial de clubes Sub-17 (2018 e 2019).

A estreia com o elenco profissional foi em outubro do ano passado e, desde então, já são 15 jogos pelo Verdão, sendo 14 como titular (alguns, inclusive, escalado na lateral esquerda). “Sempre confiei em Deus e esperei chegar o meu momento. Nunca coloquei metas na minha vida, o que for para acontecer vai acontecer. E quando chegou [o momento], a minha família me ajudou muito a manter a cabeça no lugar”, afirmou sobre a estreia no profissional.

Antes de ser incorporado à base palmeirense, o pai de Renan o levava em um campo de terrão perto da sua casa, em Itapevi, para treinarem juntos. “Ele é um cara bem bravo”, destacou a joia alviverde. “O treino começava tranquilo, mas eu não via a hora de acabar. Isso me ajudou bastante”, lembrou.

Renan tem história também com a Seleção Brasileira, pela qual conquistou a Copa do Mundo Sub-17 em 2019, ao lado de outras crias da base alviverde: o lateral-direito Gustavo Garcia, o zagueiro Henri e o atacante Gabriel Veron. “A Seleção Brasileira me ajudou bastante a crescer como jogador e como homem. É um sonho voltar”, disse.

“Queria agradecer toda a torcida do Palmeiras por ter feito meu ano maravilhoso. Só tenho que agradecer por tudo que eles fizeram e espero dar muita alegria para essa torcida maravilhosa”, concluiu.

Cesar Greco/Palmeiras

Comentários Facebook